O cooperativismo é um movimento e um modelo de gestão empresarial no qual a direção é baseada no princípio “uma pessoa, um voto”.

Uma cooperativa é uma organização pertencente e controlada pelas pessoas que usam os produtos ou serviços que a empresa produz. Elas se diferem de outras formas de negócios porque operam mais para o benefício dos membros, de forma sustentável, em vez de obter lucros para os investidores.

As cooperativas são organizadas para oferecer concorrência, melhorar o poder de barganha, reduzir custos, ampliar oportunidades de mercado – novas e existentes, melhorar a qualidade de produtos ou serviços e obter os indisponíveis.

Quer entender um pouco mais sobre esse modelo de negócio? Continue a leitura!

Quais são os princípios básicos do cooperativismo?

As cooperativas são empresas de propriedade conjunta e controladas democraticamente, de forma colaborativa, enraizadas nos valores da autoajuda, da autorresponsabilidade, da igualdade, da equidade, da democracia e da solidariedade.

As pessoas, e não o lucro, estão no centro da atividade econômica de uma cooperativa. Todos os membros participam ativamente e igualmente na tomada de decisões e definição de políticas. As cooperativas são indivisíveis – o capital acumulado é principalmente reinvestido na cooperativa.

As cooperativas podem, muitas vezes, fornecer aos seus membros condições de trabalho mais favoráveis e acesso a bens e serviços do que os encontrados no mercado livre. Profundamente inseridas na realidade local, elas também contribuem significativamente para a economia regional.

Qual é o objetivo principal de uma cooperativa?

As pessoas geralmente se juntam a uma cooperativa para obter benefícios – para desfrutar coisas como o compartilhamento de riscos, a capacidade de fazer uma compra grande em um grupo, para se tornarem empoderadas e fazerem parte de uma empresa significativa.

As empresas cooperativas são organizadas com o objetivo de melhorar o poder de barganha dos membros individuais e a qualidade do produto ou serviço fornecida pelos membros.

Elas também pretendem reduzir os custos incorridos durante o processo de produção, oferecer concorrência a empresas maiores, expandir oportunidades no mercado e obter produtos e serviços que, de outra forma, estariam indisponíveis, já que empresas convencionais poderiam vê-los como não lucrativos.

Como a propriedade e o controle do negócio cooperativo funcionam?

No negócio cooperativo, a propriedade é baseada na quantidade de capital com a qual cada membro contribuiu. Essa é uma estrutura de propriedade única, porque pode ser baseada em qualquer coisa, incluindo quanto dos serviços e produtos da empresa cooperativa um membro compra. É isso que torna um negócio cooperativo tão diferente de outros modelos.

Considere este exemplo: em uma empresa regular, você não precisa investir no negócio para comprar seus produtos. Você não precisa ser um acionista de uma montadora de veículos para comprar um carro deles.

No outro extremo do espectro, você não precisa comprar os produtos ou usar os serviços da empresa para possuir ações. Você não precisa ter uma conta em uma rede social, por exemplo, para possuir ações dela. No modelo cooperativo, você precisa usar os produtos e serviços das cooperativas para poder investir na empresa.

Da mesma forma, você não pode comprar os produtos ou usar os serviços da cooperativa, a menos que você também seja um investidor.

No que diz respeito ao controle, há, novamente, uma diferença em relação a um negócio regular. Em uma empresa convencional, cada ação recebe um único voto. Isso significa que os investidores podem comprar quantas ações forem necessárias para obter um certo nível de controle nos negócios.

Em uma cooperativa, as coisas são muito diferentes. Cada membro recebe apenas um único voto, criando igualdade de direitos de voto. Todos os membros participam do funcionamento do negócio cooperativo e compartilham as responsabilidades envolvidas.

Quais são as vantagens de uma cooperativa?

Uma das maiores vantagens de uma empresa cooperativa é a igualdade envolvida em sua gestão e o quanto ela é democrática em geral. Os membros podem ter todas as suas necessidades satisfeitas sem ter que adiar para uma única pessoa.

Esse tipo equitativo de organização torna o negócio cooperativo muito mais estável do que um negócio regular. Os membros vêm e vão sem necessariamente atrapalhar a maneira como as coisas funcionam.

De fato, sempre que a mudança for essencial, será necessário que todo o grupo de membros decida sobre ela. Além disso, como cada membro tem apenas um único voto, todos têm um pé de igualdade no negócio, independentemente do número de ações que possuam.

A cooperativa é um corpo próprio. É considerada um indivíduo legal, portanto, assume a responsabilidade por seus próprios débitos, em vez de confiar nos funcionários, diretores ou acionistas – com a exceção de situações em que houve fraude ou negligência. A responsabilidade de cada cooperativa é limitada ao seu respectivo investimento.

Os negócios cooperativos são de propriedade e controlados pelos membros, portanto, são mais autônomos em comparação aos negócios controlados por seus investidores. Outro fator que leva a mais controle dentro de uma cooperativa é o fato de que todos os membros precisam estar ativos para que possam dividir a carga de trabalho igualmente entre si.

Como desenvolver um negócio baseado no cooperativismo?

Um negócio, para ser bem-sucedido, exige esforço a longo prazo. Para empresas comuns, isso não é um problema porque o incentivo ao lucro está lá. Com uma cooperativa, a falta de um incentivo ao lucro pode levar à falta de interesse, o que pode tornar a cooperativa inativa depois de um tempo.

É importante considerar esse fator quando você está começando um negócio cooperativo para ter alguma perspectiva do cenário maior. A seguir, algumas etapas que devem ser seguidas ao desenvolver um negócio baseado no cooperativismo.

Criação de um comitê diretivo

Esse grupo especial de pessoas pode identificar os valores fundamentais e a missão da cooperativa, bem como representar os membros potenciais do negócio cooperativo. Você pode, então, elaborar um plano e fazer a pesquisa necessária para desenvolver a organização.

Estudo de viabilidade

Nesta fase, você estuda as oportunidades presentes no mercado. Você deve considerar desafios de mercado, financiamento e custos operacionais também. Olhe para a possibilidade de obter assistência financeira e técnica do governo.

Elaboração de documentos legais

Todas as cooperativas são pessoas jurídicas e precisam ser incorporadas. Isso geralmente é feito por estatutos estaduais e envolve a elaboração de artigos de incorporação. Contrate um advogado para fazer isso por você. Seja muito abrangente sobre o escopo do negócio. O estatuto pode começar básico e, em seguida, crescer com o negócio.

Criação de um plano de negócios

O plano de negócios precisa ser detalhado, porque funcionará como o modelo da cooperativa, tanto nos estágios iniciais quanto no longo prazo.

Obtenção de financiamento

Seja qual for a atividade da sua cooperativa, você precisará de financiamento. O financiamento inicial pode vir dos próprios membros. No entanto, você também pode olhar para a possibilidade de obter incentivos do governo e de instituições financeiras.

Em resumo, o cooperativismo oferece um modelo flexível para novos negócios. Pode ser configurado por funcionários, consumidores, moradores e organizações locais. Existem vários modelos diferentes para esse processo, por isso você deve explorar suas opções para determinar o que melhor atende às necessidades do seu grupo.

Achou este conteúdo estratégico para a sua área de atuação? Receba outros artigos como este diretamente no seu e-mail, assinando agora a nossa newsletter.

Escreva um comentário

Share This