A partir de uma visão holística da organização, é possível identificar que, a medida que o público surge com novas demandas, os processos e as ofertas precisam se adaptar para que haja solidez no mercado de atuação. Para isso, um bom caminho é aplicar a gestão da inovação.

A gestão da inovação traz consequências significativas para o ambiente interno e externo da empresa, que pode refletir na melhoria da qualidade dos produtos ou serviços, na maior produtividade, na otimização dos custos, entre outros benefícios.

Para saber como aplicar esse conceito em sua empresa é preciso entender suas vantagens e desafios, continue a leitura!

O que é inovação?

Antes de dissertar acerca da gestão da inovação, é preciso entender seu conceito, que diz respeito ao desenvolvimento, adoção ou proposição de um novo produto ou serviço, ou ao aprimoramento significativo de algo já existente. Isso significa que inovar não é, necessariamente, criar terreno, já que também pode ser um aprimoramento de algo já existente.

O Manual de Oslo propõe que a inovação seja o desenvolvimento ou aprimoramento de um dos seguintes meios:

  • produto ou serviço – o que é entregue para a outra parte;
  • processos – é o meio de transformar a forma de fazer;
  • organizacional – está relacionado à gestão, estrutura de governança, organização interna, etc.;
  • marketing – inovação em canais de comunicação, nichos, estratégia de posicionamento e modelo negócio.

Para que a inovação seja efetivamente obtida é fundamental que ela agregue valor às partes interessadas – valor econômico, de posicionamento, estratégico, social, design, etc. Desde que gere um diferencial, as ações desse tipo podem ser dirigidas à força de trabalho, aos colaboradores, ao público acionista ou à própria comunidade.

A inovação não é apenas uma ideia com potencial criativo, é o somatório da percepção de uma oportunidade (que pode ser até a correção de um problema), a identificação de ideias promissoras, a implementação (que envolve a gestão e cultura de projetos) e o fato de ter gerado resultados (valor).

O que é a gestão da inovação?

A gestão da inovação é o desenvolvimento, a implementação e o gerenciamento das condições (ambiental e cultural) que estimulem e permitam que esse desenvolvimento ocorra em todos os âmbitos da empresa, como nos processos, nas metodologias, nas formas de incentivo e de reconhecimento, a fim de implementar essa essência na cultura organizacional.

Gerenciar a inovação significa administrar as condições que levem ao ambiente uma cultura que proporcione mais desenvolvimento, o que envolve o preparo da liderança e o meio com que a empresa abre espaços para isso.

Para isso, é preciso analisar a forma com que a empresa atrai, usa, desenvolve e engaja talentos para que a inovação ocorra e perpetue, além da forma com que a organização reconhece as inovações que estão ocorrendo e as utiliza como uma alavanca de promoção.

No ambiente externo, deve-se observar o que está acontecendo no mercado, em outros setores e nos concorrentes. Depois, é preciso entender o que é preciso fazer na organização para que a inovação seja operada, a fim de alcançar resultados sustentáveis no mercado.

O ciclo da gestão da inovação vem desde a identificação da oportunidade, percepção da ideia com bom potencial criativo, passa pela efetiva e eficaz implementação e encerra-se na geração de valor, que deve ser percebida pelas partes interessadas. Essa sequência caracteriza um processo inovativo.

Por que a gestão da inovação é importante para as empresas?

A gestão da inovação é a capacidade de a organização intensificar seu nível produtivo e competitivo. Logo, o mercado e o cliente estão cada vez mais ansiosos por novidades que não apenas atendam às suas necessidades, mas os ajudem a se tornarem mais competitivos para os seus respectivos mercados.

Uma organização deve ter uma agenda de inovação para sistematizar, organizar e impulsionar a capacidade de promover avanços e conquistar novos espaços. Para conquistar um mercado é preciso trabalhar aspectos e características que o próprio nicho operado ainda não oferece – ou sequer identifica a oportunidade.

O objetivo é obter um melhor retorno econômico e financeiro, mas também social, ambiental e cultural. Assim, a organização deve saber como reter talentos, usar esse potencial criativo e dirigir as atividades também como plano de fundo para trabalhar em benefício de outras pessoas.

Como a inovação pode se relacionar com a estratégia da empresa?

Grande parte das oportunidades com potencial gerador de valor estão na declaração estratégica da empresa. Isso quer dizer que é preciso pensar na estratégia a partir da inovação e utilizá-la como meio para alcançar resultados de forma transformadora e integrada com a cultura.

No modelo tradicional, as empresas encaram as metas com um esforço escasso. A partir do momento em que a companhia adota um pensamento inovador, a equipe busca diferentes formas de executar processos de maneira mais eficaz.

Assim, inicia um ciclo de transformação que, ao influenciar a cultura organizacional com foco na inovação, a essência da empresa passa a enxergar os métodos por um novo ângulo, identificando as oportunidades inovativas de forma mais natural.

Quais são os desafios e benefícios desse processo?

Benefícios

A organização estará sempre à frente do segmento, oferecendo resultados, possibilidades e atraindo talentos com pensamento ágil. Além disso, ao quebrar paradigmas e regras fundamentais da ordem natural daquele mercado, a empresa pode se expandir e, eventualmente, criar um nicho diferente.

Desafios

A empresa deve ter disposição ao risco e tolerância ao erro, já que trabalhará com processos ainda não explorados. O grande segredo é a capacidade de tirar lições e aprendizados dessas falhas e usar a experiência como elemento de desenvolvimento e aprendizado para intensificar a força inovadora.

Quais setores da empresa devem ser envolvidos no processo de gestão da inovação?

Quanto mais setores se envolverem no processo, melhores serão os resultados. Isso contribui na fomentação de uma cultura para a inovação, que fala sobre o envolvimento de pessoas em métodos (produtos, serviços, processos, organizacionais, marketing) que podem ser desenvolvidos e vinculados à estratégia.

Uma empresa com muita inovação é feita a partir de pesquisa e desenvolvimento de produtos e mercado, mas em paralelo tem uma cultura tradicional. Diferentemente de uma organização inovadora, que tem toda essência direcionada para esse ideal.

Como aplicar a gestão da inovação na empresa?

O esforço principal deve ser o de começar a inovar, ainda que seja com um projeto inicial, que transmita mais segurança na execução. Ao iniciar, o próprio processo ajudará a entender qual é a forma de fazer inovação e o aprendizado não será pela simples repetição, mas sim pela experiência.

A administração deve ter uma intenção clara de querer fazer da inovação uma pauta executiva, de toda a empresa. As lideranças precisam incentivar a aceitar o erro em busca do desenvolvimento, além de se comprometer e se envolver com iniciativas que estimulem a equipe.

Além disso, uma boa ideia é conhecer organizações que aplicam a gestão da inovação e são reconhecidas por isso, buscar referências sólidas do assunto e utilizar o Modelo de Excelência da Gestão (MEG).

Seguramente, uma das condições fundamentais para fortalecer a cultura inovadora é debater sobre ela, transformar o ambiente de trabalho e iniciar as ações que integrem todas as hierarquias da organização. Assim, haverá uma gestão da inovação eficaz, como foco em resultados sustentáveis.

Para dar o primeiro passo, leia nosso post e conheça 7 ferramentas para estimular a inovação na organização.

Escreva um comentário

Share This