As empresas, comumente, buscam referências para melhorar a organização interna, de modo a aprimorar o desenvolvimento do modelo de negócio, com o auxílio de processos, indicadores, mecanismos de controle e outras ferramentas validadas. Não por acaso, saber como definir e aplicar o modelo de gestão é uma parte essencial do trabalho dos gestores.

Essas pessoas são responsáveis por coordenar a atuação de profissionais internos e externos para obter um diagnóstico profundo da gestão. Posteriormente, dispondo de um quadro geral sobre a cultura, os valores, as características e o ambiente, vão ao mercado em busca dos bons exemplos que serão espelhados na organização.

Para entender um pouco mais sobre esse processo, prossiga com a leitura deste texto. O conteúdo aborda dicas relevantes para encontrar o modelo de gestão ideal para a sua empresa!

O que é modelo de gestão?

A expressão “modelo de gestão” pode variar entre dois sentidos, a depender do contexto em que é empregada. O primeiro deles diz respeito à maneira como a empresa dispõe dos elementos internos para realizar o modelo de negócio, em termos de processos, indicadores, mecanismos de controle, etc.

Ocorre que as mesmas palavras são utilizadas para indicar o paradigma ou exemplo que serve de referência para estruturar esse modo de ser da organização, como a gestão por resultados, a gestão participativa, a gestão de qualidade (ISO 9000), o sistema de gestão ambiental (ISO 14000) e o Modelo de Excelência da Gestão® (MEG). Logo, aqui, o melhor seria falar em modelo de referência para gestão.

Nesse sentido, um mesmo referencial pode gerar desdobramentos diversos em diferentes empresas. Daí a necessidade de conhecer as características, o ambiente, a cultura e os valores antes de aplicar as recomendações internamente.

Isso ocorre porque as organizações criam seus próprios modelos de gestão, espelhando um exemplo externo e realizando ajustes para as suas necessidades específicas. Até por isso, é comum que uma mesma empresa beba da fonte de diferentes modelos de referência.

O que considerar para aplicar o modelo de gestão?

Encontrar o modelo de gestão ideal é um processo de identificação de informações-chave, avaliação e decisão a respeito das opções disponíveis. Isso porque, a partir dos modelos de referência, a empresa tem de construir sua própria organização interna. Veja alguns pontos relevantes:

Conhecer as características da organização e o seu contexto

O primeiro conjunto de informações-chave para se chegar a um modelo de gestão é compreender as especificidades da organização, especialmente, os seguintes itens:

  • modelo de negócio;
  • ambiente externo (mercado, concorrentes, clientes, etc.);
  • ambiente interno (cultura organizacional, processos existentes, etc.);
  • pontos em comum entre os modelos já aplicados na empresa.

O diagnóstico pode ser conduzido com o auxílio de uma consultoria externa e deve contar com a participação dos líderes de cada setor.

Ajustar objetivos e expectativas

Um aspecto igualmente importante é a definição das pretensões, ou seja, o que a organização deseja ao mudar o modelo de gestão. Para tanto, o gestor deve pensar as prioridades do negócio, por exemplo: reduzir custos, aumentar a receita, inovar, ter responsabilidade social, valorizar mais as pessoas, etc.

Tais elementos servirão de critério para a busca dos modelos de referência ideais, bem como para sua combinação coerente. Logo, vale a pena investir algum tempo nesse ajuste de expectativa.

Entender os modelos de referência existentes no mercado

Um terceiro grupo de informações diz respeito às referências existentes no mercado. Essas, em diferentes medidas, serão o norte para a construção de um modelo de gestão próprio e eficiente.

Gestão por resultados

Trata-se de um exemplo bastante presente nas organizações, em que o fundamento é a definição de metas e a cobrança pelo seu cumprimento. Isto é, a organização define aonde ela quer chegar e os líderes têm certa margem para optar pelo caminho que julgam mais adequado.

Gestão por processos

Abordagem que prioriza a definição de processos eficientes, ou seja, que produz os melhores outputs possíveis e minimiza os custos. Nesse caso, a margem do colaborador é mais restrita, porque ele tem um conjunto de atividades e etapas mais bem definidas.

Gestão por competências

Modelo que enfatiza o desenvolvimento das aptidões técnicas, comportamentais e relacionais dos colaboradores, bem como aloca-os em funções compatíveis com tais competências.

Gestão participativa

Linha de atuação baseada no empoderamento das pessoas da organização, de modo que os profissionais são envolvidos nas decisões estratégicas. A ideia é aproveitar o conhecimento dos colaboradores, que, por estarem na linha de frente do negócio, estão mais próximos das necessidades e dos desejos dos clientes.

Modelo de Excelência da Gestão®

Diferentemente dos demais, o MEG é um modelo integrativo. Em vez de enfatizar um aspecto específico (resultado, competência, empoderamento, etc.), ele coordena as diferentes referências e entrega um valor otimizado para a empresa, ou seja, sem excessos ou insuficiência de algum dos fatores.

A ideia-mãe é compreender as relações de causa e efeito entre os modelos para se chegar a um encaixe ideal. Isso porque, ao entender o impacto que um tem sobre o outro, pode-se definir a medida que mais se ajusta às características e expectativas de uma organização.

Essa aptidão de se amoldar à construção de que a empresa necessita é chamada de adaptabilidade. Trata-se de um atributo importante, principalmente em um cenário de demanda por transformação digital, em que as organizações precisam de mudanças profundas em suas atividades.

Como definir os alicerces do modelo de gestão?

A partir da compreensão dos modelos de referências e das características da organização, os gestores devem pensar os pontos-chave do modelo de gestão. Alguns questionamentos importantes são os seguintes:

  • o modelo de gestão será rígido ou flexível?
  • entre os modelos que a empresa já utiliza, qual servirá de referência para a construção do modelo de gestão?
  • como a organização vai garantir que o modelo propicie inovação?
  • como assegurar uma retroalimentação para o aprendizado organizacional?

Pois bem, ao responder a essas e outras questões, elaboradas com profissionais especializados, a empresa deve considerar os modelos de referências e seus possíveis impactos na sua cadeia de valor.

A partir desses alicerces, os elementos específicos são adicionados (processos, indicadores, ferramentas, mecanismos de controle, compliance, etc.), de modo que a organização inicia a construção do seu próprio modelo de gestão.

Qual a importância de um modelo de gestão eficiente?

Aplicar o modelo de gestão mais eficiente conduz ao aprimoramento dos pontos essenciais do negócio, como criação e entrega de valor, marketing, vendas e finanças. Isso porque, a partir do formato ideal, é possível compreender e direcionar as relações entre os diferentes elementos da gestão (costumes, valores, processos, ferramentas, sistemas, etc.).

Por outro lado, os gestores terão melhores condições de verificar o êxito das decisões, predizendo o impacto das mudanças em cada um dos mencionados elementos. Logo, saberão o que funciona e o que não funciona de forma mais acurada.

Sendo assim, a construção deve ser orientada por profissionais especializados, a fim de minimizar os erros e desenvolver todo o potencial dessa área crítica. Então, não hesite em buscar uma consultoria externa para definir e aplicar o modelo de gestão mais adequado para a sua empresa.

Agora que você já conhece a importância de contar com profissionais especializados, dê um passo adiante e entre em contato com a nossa equipe!

Colaboração de Antônio Tadeu Pagliuso

Escreva um comentário

Share This