Engana-se quem pensa que a elaboração de um planejamento estratégico só é necessária no início do empreendimento. Como é característica inerente do mercado a sua oscilação, as empresas que investem nesse processo gerencial de forma constante destacam-se diante da concorrência e garantem seu bom funcionamento.

Contudo, implementar essa cultura na instituição não é uma tarefa simples. Mais do que isso, realizar um planejamento eficiente e que traga reflexos diretos na lucratividade da empresa demanda tempo, energia e conhecimento minucioso do negócio, principalmente, de quem está à frente da gerência na companhia.

Se você quer saber como fazer um planejamento estratégico eficiente, continue a leitura e anote as nossas dicas.

O que é planejamento estratégico e para que serve?

O planejamento estratégico é a elaboração de um processo contínuo de avaliação da atuação empresarial envolvendo fatores internos e externos, que serve para a criação de ações e metas de estratégia.

A finalidade de implementar e executar esse planejamento é para que a instituição atinja uma posição de destaque no mercado, justamente para sair à frente de outras empresas do ramo e adquirir altas margens de lucro.

Em outras palavras, a elaboração de um planejamento estratégico está intimamente ligada à sobrevivência da organização em um mercado bastante competitivo e que sofre constantes transformações.

Vale ressaltar que a sua importância ocorre em diferentes fases do negócio, inclusive para encerrar as portas – caso contrário, a companhia pode entrar em uma fase de muitas dívidas e correr o risco de responder perante a Justiça do Trabalho, por exemplo.

Por isso, seja para abrir um negócio, seja para ampliar o ramo de atuação, para abrir mais uma filial ou para fechar a empresa, a elaboração de um planejamento é crucial para que o caminho traçado seja devidamente seguido, evitando-se possíveis prejuízos.

Por que o planejamento estratégico é importante?

O objetivo atual de seu negócio é duplicar o faturamento nos próximos quatro anos. Passado esse período, o novo objetivo é a ampliação do ramo do negócio e, mais adiante, a abertura de novas filiais. Já imaginou? Pois bem, agora responda: para cada etapa citada, a empresa terá o mesmo comportamento?

Se você respondeu que não, já entendeu o funcionamento do planejamento estratégico. Esse procedimento é traçado a partir da situação concreta de cada caso, ou seja, não existe uma receita padrão.

Existem etapas essenciais que direcionam essa delineação, mas é apenas com um quadro preciso que o planejamento tem início. Em outras palavras, para que uma ação seja traçada da forma mais adequada, todos os detalhes do setor de atuação e da empresa devem ser aferidos e pautados pelo objetivo central.

Por isso, o planejamento é importante para que ações e estratégias para cada caso sejam elaboradas da maneira mais adequada, justamente com o fim de eleger o caminho mais acertado para atingir os objetivos traçados – e ele será eficiente apenas se trabalhar a partir de um cenário determinado.

Como fazer um planejamento estratégico eficiente?

Para traçar um planejamento estratégico eficiente, a realidade da empresa deve ser o ponto de início para, então, as metas e estratégias serem definidas. Confira, a seguir, as nossas dicas para concluir um planejamento eficiente.

Conheça o cenário

Conhecer o cenário é essencial e esse passo inicial influencia todos os próximos. Ou seja, dele depende o sucesso (ou não) de um planejamento estratégico. Por isso, busque conhecer todos os fatores que influenciam a organização.

Dentre eles, analise o momento do mercado e da economia, a atuação da concorrência, o surgimento de novas leis e, também, o comportamento da sociedade em relação aos hábitos de consumo. Em resumo, conhecer o cenário é avaliar todo o macroambiente.

Analise o ambiente interno

O segundo passo é entender a respeito do ambiente interno: aqui entra em foco a empresa e a sua atividade. Verifique, por exemplo, os recursos da companhia, se a tecnologia utilizada é de ponta, como é classificada a qualidade do produto, se os colaboradores estão motivados ou se há excesso de burocracia.

Para facilitar essa análise, divida as características da instituição em pontos fortes e oportunidades de melhoria para auxiliar justamente na elaboração de estratégias. Relacione tudo e realize a sua classificação.

Defina as estratégias

As estratégias são o meio de se atingir um objetivo. Por isso, antes de eleger o melhor caminho, uma pergunta crucial deve ser feita: aonde a empresa deve chegar? A dica para respondê-la é imaginar os objetivos por etapas, demarcando prazos curtos para atingi-los.

Assim, as estratégias devem ser traçadas para potencializar os pontos positivos da instituição. Se o objetivo é duplicar o faturamento em quatro anos, por exemplo, uma estratégia que pode ser interessante é a expansão da empresa, com a abertura de uma filial ou o lançamento de um novo produto. Ressalte-se que para cada realidade existe um plano de ação mais adequado.

Escolha a forma de atuação da organização

Definir o modelo do negócio também é uma etapa essencial nesse processo, pois compreende a postura adotada pela instituição, tanto em relação à escolha de fornecedores quanto à contratação de colaboradores ou à definição da sede empresarial.

Como visto, cada uma dessas etapas está interligada. Por isso, a definição do modelo de negócio é realizada a partir da análise do macroambiente, do microambiente e do estabelecimento de objetivos para a instituição.

Estabeleça os indicadores

Escolher os indicadores significa estabelecer ferramentas para analisar o planejamento estratégico traçado. Por exemplo, o índice de lucratividade é importante quando se deseja verificar se o produto fornecido atingiu a liderança no mercado.

Já para estratégias que sejam relacionadas à atração da clientela, os índices denominados do nível de satisfação de clientes (NPS) e da evasão de clientes (churn) passam a ser os mais adequados. O retorno sobre o investimento (ROI) verifica a taxa de lucro obtida e, por fim, o índice de absenteísmo demonstra a rotatividade dos funcionários.

Monitore o planejamento realizado

Para a elaboração de um planejamento estratégico eficiente, o projeto deve ser constantemente monitorado. Por isso, não pense que o processo tem fim ao ser colocado em prática: examine o seu andamento e, em caso de qualquer imprevisto, avalie a sua alteração.

Quais os benefícios de um bom planejamento estratégico?

O maior benefício de um bom planejamento estratégico é tornar a organização apta e resistente às mudanças do mercado, influenciando diretamente na longevidade do negócio.

A partir da avaliação do cenário econômico, do macroambiente e da situação interna da empresa, surge como outro benefício a maior eficiência na tomada de decisões, no alinhamento do negócio e no comprometimento da equipe.

Todos esses fatores em conjunto convergem para um ponto em comum, almejado por todo e qualquer empresário: o aumento do lucro. Por isso, o planejamento estratégico, se bem realizado, garante o crescimento constante do negócio.

Entender e aplicar o seu processo não é tarefa simples, mas garante apenas pontos positivos à saúde da empresa. Por isso, fazer um planejamento estratégico eficiente é essencial para quem deseja se destacar diante da concorrência e garantir altas taxas de lucratividade. Arregace as mangas e invista nesse planejamento!

O nosso artigo foi útil? Saiba mais lendo também sobre plano de ação.

1 Comment

  1. Acrescentando mais um ponto importantíssimo; A identificação e tratamento dos riscos empresariais mais significativos. É neste momento que a gestão da organização precisa tratar cada risco identificado, definindo se adotará ações para eliminar, mitigar ou até mesmo assumir os riscos inerentes do negócio e setor de atuação.

Escreva um comentário

Share This