A gestão financeira empresarial é o alicerce que toda empresa precisa para promover um crescimento sustentável e duradouro. As movimentações cotidianas perpassam diversas transações de entrada e saída, receita e despesa.

Embora um bom planejamento seja essencial para que o negócio se desenvolva conforme os objetivos preestabelecidos, são as finanças que ditam as regras para garantir um budget adequado aos gastos e investimentos.

Por isso, gerenciar e controlar bem o caixa fortalece o negócio e abre uma vantagem competitiva no mercado. Neste post, você vai compreender o quanto a gestão financeira é importante e descobrir algumas dicas para desenvolvê-la de maneira eficiente! Acompanhe.

Qual a importância da gestão financeira na empresa?

Em um negócio, tudo deve começar por uma gestão ampla da empresa – a visão holística permite um melhor acompanhamento dos departamentos e da movimentação financeira em cada um deles, permitindo um controle mais efetivo.

É a gestão financeira a responsável por orientar e direcionar os empreendedores para as tomadas de decisão e ações de melhoria contínua, sem afetar a rentabilidade ou colocar em risco o patrimônio adquirido.

Durante as análises financeiras, o fluxo das operações demonstra se a empresa está caminhando de forma progressiva no mercado, com substancial aumento das vendas e bom faturamento, ou se precisa adotar medidas mais agressivas para alcançar o retorno esperado.

Com uma gestão financeira eficiente é possível identificar os gaps nos processos que envolvem as vendas, os pagamentos, os recebimentos e as cobranças e, assim, equilibrar o fluxo de caixa para assegurar um capital de giro apropriado ao negócio.

Como desenvolver a gestão financeira de maneira eficiente?

A análise é a principal linha de controle da gestão financeira. É preciso, por exemplo, acompanhar se as metas estabelecidas para o departamento de vendas são alcançáveis o suficiente para manter a produtividade em alta, livre de prejuízos.

É fundamental acompanhar de perto cada tipo de processo executado dentro da empresa e que tenha reflexo no caixa. Para isso, algumas práticas são importantes para inibir o surgimento de gargalos no meio das atividades diárias. Confira.

Planejamento Financeiro

O planejamento, sob qualquer circunstância, tem caráter visionário e deve incorporar a filosofia da empresa para que as ações sejam pautadas em possibilidades orçamentárias e tangíveis depois de uma análise aprofundada.

Ao contar com um planejamento financeiro, a gestão terá elementos suficientes para decidir sobre investimentos, financiamentos, campanhas comerciais e sobre a hora de expansão dos negócios, por exemplo.

Fluxo de Caixa

Uma das ferramentas de maior relevância para a gestão financeira, o fluxo de caixa faz o controle diário dos valores previstos e realizados – com entradas e saídas no caixa – dando uma dimensão da saúde financeira da empresa.

O fluxo facilita a gestão de fornecedores e a determinação da melhor data de pagamento sem afetar todo o caixa em um só período. Sabendo que há prospecção de vendas e faturamento, as negociações para pagamento são embasadas em critérios mais concretos, com garantias de cumprimento do que foi acordado.

Controle de contas bancárias

Embora o fluxo de caixa seja bastante eficiente, não se pode confiar apenas em uma fonte de informações. O controle das contas bancárias é realizado por meio da conciliação que deve ser executada diariamente.

Utilizar o saldo disponível de acordo com as previsões do fluxo reeduca a gestão para a prática somente do que estiver dentro do planejamento. As situações de imprevistos devem ser inibidas e dificultadas para evitar que se tornem recorrentes.

Custos x despesas

Saber diferenciar esses dois pontos auxilia na melhor administração dos gastos da empresa. Os custos têm relação direta com a produção e a prestação de serviços – ferramentas tecnológicas, mão de obra, insumos, etc.

Já as despesas estão atreladas à estrutura e são desembolsadas para favorecer o trabalho das equipes que dão suporte à operação, ou seja, estão incluídos nesse grupo materiais diversos, ações de marketing, folha de pagamento administrativa, entre outros.

Conhecer bem essas duas frentes originárias de gastos possibilita que a empresa tenha total controle dos tipos de saídas. A partir disso, é possível precificar corretamente o negócio, garantindo que as vendas gerem lucro o suficiente para cobrir as retiradas.

Medição e avaliação

Ter em mente que o negócio é mutável e sofre interferências constantes do mercado – principalmente onde há ampla concorrência e demandas variadas – mantém a gestão financeira sempre alerta para avaliar e compreender a necessidade de adoção de medidas conforme o cenário que se apresenta.

A melhor forma de promover essa mensuração é lançar mão dos principais KPI’s financeiros que indicam o desempenho e os resultados da empresa:

  • faturamento: se a empresa está vendendo conforme o previsto;
  • recebimentos: qual é o nível de inadimplência no momento;
  • lucratividade: se a empresa é capaz de se manter no mercado;
  • rentabilidade: se o retorno do investimento é suficiente no período;
  • custos: quais são os gastos para manter a estrutura;
  • liquidez: se a capacidade da empresa em captar recursos está adequada.

Quais fatores podem ajudar na gestão financeira da empresa?

Alguns fatores são diferenciais dentro da gestão financeira e podem ajudar a melhorar a performance numérica da empresa. Eles são direcionamentos importantes para dar suporte e melhorar o acompanhamento do negócio.

Vários desses fatores estão relacionados à:

  • verificação, validação e controle dos gastos;
  • utilização de softwares específicos;
  • avaliação por auditoria;
  • balanço patrimonial;
  • demonstração do resultado;
  • sistema eficaz de cobrança.

Como uma gestão financeira eficiente pode levar a empresa ao sucesso?

Os resultados positivos da empresa podem ser mensurados de diversas maneiras, mas os números não mentem e, quando bem gerenciados, apontam a eficiência da gestão financeira.

Os benefícios produzidos por uma gestão de excelência podem ser percebidos em todas as etapas dos processos, o que valoriza a empresa e imprime maior confiabilidade à marca.

O impacto do controle nos resultados reflete uma imagem de segurança, sucesso e referência no mercado. Veja o que sua empresa pode conquistar em médio e longo prazo ao adotar uma postura de gestão financeira baseada na organização e no planejamento:

  • redução de custos;
  • fidelidade e confiabilidade das informações;
  • equilíbrio financeiro;
  • suporte para tomada de decisões;
  • automatização eficiente dos processos;
  • redução de margem de erros e riscos;
  • resultados ágeis e precisos;
  • melhor análise dos resultados financeiros para concessão de crédito ou captação de recursos;
  • registros adequados das movimentações financeiras;
  • entendimento dos custos;
  • melhor comunicação com as equipes de vendas e estoque;
  • precificação adequada;
  • controle do patrimônio;
  • apuração do lucro real;
  • retirada dos sócios coerente com os resultados.

Que a gestão financeira é importante para a empresa já sabemos! O que deve ser fortalecido ao final deste post é o quanto ter uma visão sistêmica, com avaliação contínua dos processos e resultados, dá uma real dimensão sobre o desempenho da empresa.

O volume de informações produzido diariamente pela empresa deve ser uma ferramenta para a implementação de melhorias. O ideal é que, dentro do planejamento, você conte com um plano de ação que contemple os prazos, os responsáveis e os custos inerentes ao negócio para, assim, garantir resultados efetivos.

Se você gostou deste post sobre o desenvolvimento de uma gestão financeira eficaz na sua empresa, aproveite a visita e assine a nossa newsletter para garantir que nossas atualizações sejam enviadas diretamente para a sua caixa de entrada!

Escreva um comentário

Share This